segunda-feira, 22 de junho de 2009

Sentimento do Mundo




Hoje quero recomendar para vocês um dos meus livros de cabeceira...que já li muitas vezes,Sentimento do mundo,do Carlos Drummond de Andrade.




Este mineiro de Itabira me emociona pelo jeito que fala das coisas tão simples da vida.Drummond era de uma sensibilidade e,na minha opinião ,de uma certa irreverência ímpares.






''Em Sentimento do mundo, Drummond revê o fazer poético. Amadureceu o poeta individualista de Alguma Poesia, tomando consciência do mundo, apesar de não se esquecer de seu coração.O poeta de Sentimento do mundo constata que vive em “um tempo em que a vida é uma ordem”, que vive num mundo grande, onde os homens de “diferentes cores” vivem suas “diferentes dores” e que não é possível “amontoar tudo isso/num só peito de homem”. Ele constata, arrependido, que se voltou para si e para seus ínfimos problemas''(...)Nos poemas de Sentimento do mundo, além do traço preciso e corrosivo, próprio da escrita de Drummond, há uma imensa preocupação com os rumos que tomam as pessoas enquanto seres humanos.''(Passeiweb)




E para provar que o livro é maravilhoso,seguem aqui os meus dois poemas preferidos deste livro.....Leiam e coloquem poesia na vida de vocês....poesia é tudo de bom^^




beijos a tooooooodos^^






Sentimento do mundo



Tenho apenas duas mãos


e o sentimento do mundo,


mas estou cheio de escravos,


minhas lembranças escorrem


e o corpo transigena confluência do amor.
Quando me levantar, o céu


estará morto e saqueado,


eu mesmo estarei morto,


morto meu desejo, morto


o pântano sem acordes.
Os camaradas não disseram


que havia uma guerra


e era necessário


trazer fogo e alimento.


Sinto-me disperso,


anterior a fronteiras,


humildemente vos peço


que me perdoeis.
Quando os corpos passarem,


eu ficarei sozinho


desfiando a recordaçãodo sineiro,


da viúva e do microscopista


que habitavam a barraca


e não foram encontrados


ao amanhecer
esse amanhecer


mais noite que a noite.








Os ombros suportam o mundo



Chega um tempo em que não se diz mais: meu Deus.T


empo de absoluta depuração.


Tempo em que não se diz mais: meu amor.


Porque o amor resultou inútil.


E os olhos não choram.


E as mãos tecem apenas o rude trabalho.


E o coração está seco.



Em vão mulheres batem à porta, não abrirás.


Ficaste sozinho, a luz apagou-se,


mas na sombra teus olhos resplandecem enormes.


És todo certeza, já não sabes sofrer.


E nada esperas de teus amigos.



Pouco importa venha a velhice, que é a velhice?


Teus ombros suportam o mundo


e ele não pesa mais que a mão de uma criança.


As guerras, as fomes, as discussões dentro dos edifícios


provam apenas que a vida prossege


e nem todos se libertaram ainda.


Alguns, achando bárbaro o espetáculo,prefeririam (os delicados) morrer.


Chegou um tempo em que não adianta morrer.


Chegou um tempo em que a vida é uma ordem.


A vida apenas, sem mistificação.




14 comentários:

Fatima disse...

Tb gosto muito de Drummond!
Vc vai adorar Itabira, quase todos pontos turísticos da cidade fazem referência a ele.
Bjs

Cris Animal disse...

Eu não digo?
Seu blog tinha que ser leitura para todos aqueles que curtem um
bom blog, gente inteligente, sensível e que divide tudo isso com os mortais....rsrsrsrs

Eu li esse livro várias vezes e muitas vezxes salteado. É lindo. Lindo como seu bom gosto e seu coração, Menina!

Só dicas que valem à pena estar no mundo do blog!!!!!!!! haha


beijo e mais beijo

Gleidston disse...

Memória

Amar o perdido
deixa confundido
este coração.

Nada pode o olvido
contra o sem sentido
apelo do Não.

As coisas tangíveis
tornam-se insensíveis
à palma da mão

Mas as coisas findas
muito mais que lindas,
essas ficarão.

Suas escolhas,faz-me aprimorar as minhas, por influências suas,obrigado!

Otima 3f menina Joyce.

beijocass

Viviane Moraes disse...

Dica anotadaa..
O segudo poema diz tudo.rsrs

Bijão, fica com Deus.

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

Joyce,

CDA é o cara! Quem cita Drummond sabe o que faz. Adorei!

Beijo grande, menina linda.

Rebeca

-

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá Joyce, belos poemas...Espectacular....
Beijos

Livinha disse...

"Tempo em que não se diz mais: meu amor.
Porque o amor resultou inútil.
E os olhos não choram."
Onde foi para o amor Joyce,
as lágrimas enfim tanto sentimento... e eu completo com isso:
......Pra que ter pressa de que o tempo passe?
a gente se cansa e fica tudo desgastante,
adentra o depois e sente saudades,
de tudo como era antes....♥

Que venha então a saudade reascender o que tantos tem guardado sem uso...

Maravilhoso Poeta...
Joyce, gosto de tuas abordagens, muito preciosas...
Bjss

caurosa disse...

Olá minha querida amiga Joyce, sem dúvida o Carlos Drummond de Andrade é o nosso grande poeta, eu sou suspeito, pois amo de paixão tudo que ele escreveu e leio com a alma. Agradeço, sempre, os seus gentis comentários.

Muita paz, harmonia e inspiração para você.

Forte abraço

Caurosa

Celamar Maione disse...

Também tenho " o sentimento do mundo" em minhas mãos...quantas vezes !
Parabéns pela homenagem a um dos maiores poetas brasileiros.
Bj

D.Ramírez disse...

Sempre te disse q admiro sua cultura, e não é por menos, so de entrar aqui se sente se respira isso. De boas musicas, bons filmes, bons livros e boas apimentações, um blog completo :D
Adoro
Besos

Philip Rangel disse...

Adoroo Drummond..ele faz pensar em muitas coisas ne Joycinha.....

tmb vivendo passando akii.....

como nos somos seres mortais....vivemos na correria...


bjao gatinhaa

tossan disse...

eheheh...Comprei esste livro e sempre dou uma relida, é fantástico Drummmond, não é? Bom gosto moça! Beijo

Tony disse...

Hola como estas? HACE TIEMPO QUE NO PASO POR TU BLOG, eu tenho que estar de férias ESTATUTO DE VIAGENS E agora eu estou aqui para manter a sua viagem, como VEO Sigues textos com suas palavras e SUA tão doce ... Un abrazo muy fuerte
> cambiar

Philip Rangel disse...

Joyinha...passando aki pra te ver....
como ja vim..venho de novo..

pravotar....


bjao lindaaa