terça-feira, 31 de janeiro de 2012

O peso e a leveza de Kundera em minha vida


O mês de janeiro de 2012 iniciou de forma densa para mim. No final do ano passado, através de um grupo de discussão no Facebook acerca da sexualidade no cinema, conheci um filme chamado A insustentável leveza do ser. Fiquei interessada pelo título, que é assaz interessante, e diante dos muitos elogios à película, resolvi adquirir o DVD do filme e conferir do que se tratava. Numa das críticas impressas na capa do DVD, lia-se que se tratava do ''romance erótico mais sério desde o Último tango em Paris''.
Ao ver o filme, tive certeza de que a tal crítica estava correta e isso me fez comprar o livro, o que me leva a escrever este post, sobre as impressões que a leitura me causou.
Levei cerca de 28 dias para finalizar a leitura de A insustentável leveza do ser, do escritor tcheco Milan Kundera, lançado originalmente no ano de 1982. O período no qual passei em companhia do livro foi de verdadeira transformação para mim, que sou como uma esponja, e absorvo com facilidade as coisas que me tocam.
Já nas primeiras páginas, o autor discorre sobre Nietzsche e sua teoria do eterno retorno (teoria que o próprio Nietzsche achava assustadora). Segundo essa teoria ''considerando-se o tempo infinito e as combinações de forças em conflito que formam cada instante finitas, em algum momento futuro tudo se repetirá infinitas vezes. Assim, vemos sempre os mesmos fatos retornarem indefinidamente. '' (Wikipédia) .
A ideia dessa repetição levou Nietzsche a afirmar que o eterno retorno é o mais pesado dos fardos. Começam-se então os questionamentos: ''será mesmo atroz o peso e bela a leveza?'‘, pergunta-nos Kundera. Através dessa simples pergunta meu pensamento se elevou e comecei a pensar nas muitas contradições da vida. Será possível viver somente com a leveza? É possível ignorar os fardos de nossa vida e esquecer o real ''peso'' que o peso tem?
O livro conta a história de cinco personagens que alternam entre si a dualidade e porque não dizer, o duelo entre o peso e a leveza, questão central e mais importante no livro.
Tomas e Sabina, através de sua sexualidade aguçada (são velhos amigos e amantes constantes), representam o que se pode definir como Leveza. Teresa e Franz são o lado que representa o peso. São dois sonhadores. Mas, sobretudo, é no casal Tomas e Teresa que se desenrola a história: Ele, acostumado viver forma despretensiosa, vê seu mundo mudar ao conhecer Teresa, que em sua definição era como uma '' criança colocada num cesto e abandonada ao sabor da corrente'‘, que veio para ser salva por ele assim como Moisés ou mesmo Édipo haviam sido salvos.
A leveza com que Tomas levava a vida entrou em confronto com o peso que viver com Teresa (uma criatura frágil, debilitada emocionalmente e extremamente sonhadora) acarretava: sentiam um amor imenso um pelo outro, mas para Teresa, a leveza com que Tomas levava a vida era um fardo insustentável para ela, que via nas outras mulheres e no desejo sexual de Tomas um problema com o qual ela não sabia lidar.
Ele, que sempre fugiu de qualquer envolvimento, se apaixonou por Teresa através de sua fragilidade. Segundo o livro, ''o amor não se manifesta pelo desejo de fazer amor (esse desejo se aplica a uma multidão inumerável de mulheres), mas pelo desejo do sono compartilhado (esse diz respeito a uma só mulher) '‘, e foi através desse sono compartilhado que Tomas se apaixonou por Tereza. O grande conflito entre os dois (o peso de um e a leveza de outro) era justamente o fato de que Tomas julgava que o amor que sentia por Teresa e o desejo de fazer sexo com outras mulheres eram coisas compreensivelmente separadas.
Em uma das passagens mais marcantes do livro, o autor explica que esse desejo desenfreado de Tomas por fazer sexo com outras mulheres se deve ao fato de que ele procurava em cada uma delas, um ''eu'' individual, que ''é o que se distingue do geral, portanto o que não se deixa adivinhar nem calcular antecipadamente, o que precisa ser desvendado, descoberto, conquistado no outro. '' Para Tomas , a forma mais fácil de se encontrar esse ''eu '' individual e seu ''milionésimo de dessemelhança'' é através da sexualidade , pois ''é só na sexualidade que o milionésimo de dessemelhança aparece como uma coisa preciosa,pois não é acessível em público e é preciso conquistá-lo'' . Teresa jamais entenderia isso.
Com o pano de fundo da história de Tomas e Teresa, o autor nos fala também sobre a compaixão, outro sentimento decisivo na união desses dois personagens. A compaixão, na relação deles dois, não vem exclusivamente no sentido de um sentimento de ‘’piedade’’, mas sim de ’’ poder viver com alguém sua infelicidade’’, e também ‘’ sentir com esse alguém qualquer outra emoção: alegria, angústia, felicidade, dor ‘’
Por outro lado, a relação entre Franz e Sabina também é permeada pela contradição peso/leveza. Enquanto ela era dada aos amantes, ele, inseguro, via no amor ''a espera de um contínuo golpe''.
Sabina e Franz ''compreendiam exatamente o sentido lógico das palavras que diziam, mas sem ouvir o murmúrio do rio semântico que corria através dessas palavras. '' A relação deles era pura contradição: Ela original, ele clássico; Ela adepta ao silêncio e às luzes e ele, ao escuro e à música.
Outra personagem importante no livro é Karenin , a cachorra dada por Tomas para Teresa. Através do amor de Teresa por Karenin , surgiu em mim o questionamento acerca do amor : O que nós esperamos dele ? Esperar amor em troca de amor seria egoísmo demais?
Segundo o autor , perguntas do tipo ‘’ será que ele me ama como eu o amo?’’ , ‘’será que ele gosta de mim como eu dele’’ , e etc , destroem o amor no instante em que ele nasce . Seríamos nós, incapazes de amar de forma saudável ? Kundera diz que ‘’se somos incapazes de amar , talvez seja porque desejamos ser amados. Queremos alguma coisa do outro (amor) , em vez de chegar a ele sem reivindicações , desejando apenas sua simples presença ‘’. Como lidar então com o nosso egoísmo?
A história do livro se passa durante a pela invasão russa à Tchecoslováquia , portanto é interessante ao ler o livro, se interar em assuntos como a Primavera de Praga, uma vez que esse evento é outro ‘’personagem ‘’ importante na história.
Sinto que , 28 dias após uma leitura feita de forma lenta e reflexiva, não sou mais a mesma . A medida que fui me identificando com cada personagem (sobretudo com Teresa) , e mergulhando em seus questionamentos, eu pude sem sombra de dúvidas me conhecer melhor , pensar em minhas próprias contradições e identificar em mim meu próprio peso e igualmente a minha leveza.
O livro terminou, mas os questionamentos estão aí ainda, esperando por respostas.
O quão insustentável pode ser leveza do ser?

8 comentários:

J. BRUNO disse...

Joyce, to sem palavras...
Você descreveu de forma maravilhosa o efeito devastados provocado pelo livro, efeito este que eu também experimentei e que está causando ecos em mim até hoje... A obra é de fato brilhante, eu fico feliz por ter sido um dos que lhe incentivou a buscá-la, fico muito feliz que você tenha gostado e que ela tenha mexido com você do mesmo modo que mexeu comigo... Já recomendei este post para os meus amigos, mas estou certo de que só pessoas dotadas de sensibilidade com você sua linda, irão compreender a real grandeza desta obra! Beijão!

Gaby Machado disse...

Nossaaaa!!! Estou curiosíssima,p ter a oportunidade de ler esse livro.Tem algo mais complexo e contraditório que o amor em todas suas vertentes,e as relações amorosas ?!Acho que não.
Muito bom!!!

Cecília disse...

Em poucas palavras: Encontro-me chocada e estasiada sem nem mesmo ter lido ou visto o filme. Pelo o que você me diz aqui, são personagens tão bem construídos que deve ser delicioso digeri-los. Estou indo imediatamente procurar o filme, meu amor! haha

Magali Geara disse...

fiquei sem ar Joyce. Fiquei pesadamente leve com um angustia no peito que travou a respiração...

Paco Sales disse...

Interesante y concisa descripción la que has realizado, un placer visitarte y poder ver tu sensibilidad. Un cariñoso abrazo para ti

Vereda da mente disse...

Linda Morena...Antes de ler seu parecer sobre o livro,já sabia que vc era Teresa...Vc tem a idade de Teresa e tem o idealismo de amor que ela também tem...E é intensa,tornando assim este teu amor, uma sustentável beleza...

Na época que ví o filme,me identifiquei mais com a Karenin,rs(Falo sério!)...Não que me identifiquei com a amiga pet...mas minha preocupação e atenção era toda dela,rs

Ví no cinema...Sózinha,como costumava fazer na juventude...Chorei,rí,me indignei...

Fui tocada demais!Aqui deixo um trecho do livro que amo e que me descreve nos perfis por aí a fora a muito tempo:

"A Verdadeira Bondade do Homem"

A verdadeira bondade do homem só pode manifestar-se em toda a sua pureza e em toda a sua liberdade com aqueles que não representam força nenhuma. O verdadeiro teste moral da humanidade (o teste mais radical, aquele que por se situar a um nível tão profundo nos escapa ao olhar) são as suas relações com quem se encontra à sua mercê: isto é, com os animais. É aí que se produz o maior desvio do homem, derrota fundamental da qual decorrem todas as outras."

Milan Kundera
"A Insustentável Leveza do Ser"

Um beijo minha docinha!Este é um caminho sem volta bombom!Mas minha mão amiga estará sempre por aqui!

Beijocas!

Joicy Sorcière disse...

Minha querida Joyce... vc descreveu lindamente o livro! Já comentei com o José Bruno, fiquei dias remoendo sobre a questão da leveza e o peso! PAra mim, Teresa marcou demais... é um livro para reler incontáveis vezes, de época em época.

Lembro-me do dia em que o Celo falou do filme e surgiu aquele debate lindo no Apimentários. Maravilhoso saber que vc, José Bruno e eu acabamos lendo ao mesmo tempo. Eu já havia lido antes, no final da adolescência e de certa forma, meu olhar(hoje) foi totalmente diferente. Talvez pela questão da maturidade emocional.

Adorei sua postagem...

beijo grande JoicySorciere => Blog Umas e outras...

Luis Carlos V. disse...

Parabéns Joyce,seu texto é exato,envolvente, cativa mente...