sexta-feira, 13 de julho de 2012

Romântico é uma espécie em extinção?


Ontem, em mais uma de minhas inúmeras noites insones, minha amiga Flávia Oliveira me chamou no Facebook e me mostrou um vídeo, pedindo para que eu assistisse e dizendo que eu, como uma das últimas românticas do mundo, iria adorar. Tratava-se de um vídeo feito por um rapaz que foi a uma balada e se encantou por uma menina. Segundo ele, foi ''amor à primeira vista'‘, porém perdeu seu telefone. O vídeo era um apelo para encontrar a tal garota e chama-se ''perdi meu amor na balada''. Como esperado, eu achei muito fofo, e Flávia comentou que muitas pessoas classificaram a atitude do rapaz como ''ridícula''. Fiquei espantada com isso e Flavinha pediu então, que escrevesse a respeito.

Seu pedido é uma ordem, minha querida!

Tenho notado que cada vez mais o romantismo que eu tanto admiro e pratico está um tanto quanto escasso.

Sou admiradora do ultrarromantismo e adoro figuras passionais que colocam o amor acima de tudo e por ele travam uma busca incansável. No fundo, os admiro porque sou assim também: passional até o limite do limite. Reconheço porém, que tudo que é feito e sentido em demasia pode enjoar, como todos dizem. O cerne da questão e deste post é: em tempos como esse que vivemos, onde tudo é muito rápido e instantâneo, aonde foi parar o romantismo, ainda que de forma comedida?

Sinto que hoje em dia, devido à rapidez com que as coisas se movem, não há mais aquela coisa da CONQUISTA. Flertar em pleno 2012 muitas vezes se resume a uma cutucada no Facebook ou mesmo algumas cantadas que de tão baratas e sem criatividade, chegam a ser bizarras. Sinto falta de troca de olhares, de nervosismo, expectativa, uma certa timidez e sobretudo ,delicadeza.Saber que algumas pessoas acharam ridícula a atitude do rapaz que fez o vídeo que citei acima é só mais um reflexo de minha opinião: as pessoas ,especialmente os mais jovens,de modo geral não estão mais acostumadas a atitudes assim, dotadas de sensibilidade e de um certo arrebatamento. Sinto falta de ver nas pessoas aquele brilho no olhar e aquela vontade louca de se jogar. Ao que me parece, falta EMPOLGAÇÃO e disposição para arriscar. Tudo isso implica para que o romantismo vá diminuindo. Não há mais tanta vontade de se expor. Não há mais cartas de amor. Fernando pessoa diz que cartas de amor e palavras esdrúxulas são naturalmente ridículas. Será que as pessoas estão com medo de parecerem assim? Falta hoje em dia o medo de arriscar quando o que está em jogo é o coração.

Não quero aqui ser radical demais, nem bancar a romântica irracional, mas acho que realmente falta um quê de ternura e mistério nas relações em tempos tão modernos. Como escreveu Arthur da Távola, há que se ‘’buscar a criança própria e a do amado/a ‘’ e de vez em quando colocar ‘’intenções de quermesse ‘’ em nossos olhos e porque não ‘’beber licor de contos de fadas’’.

Acredito no amor e na necessidade de emoção. Há sentimentos na vida que não se explicam... Que só se sentem. Fazendo mais uma citação, Gilberto Gil diz que do luar não há nada a dizer a não ser que ‘’a gente PRECISA ver o luar’’. É isso! Para bons entendedores, uma bela citação basta!

Let’s Love!

Sejamos Românticos !


6 comentários:

Cecília disse...

É bem verdade, mas eu ainda sinto tudo que você descreveu. É uma pena não encontrar pessoas que sintam o mesmo.

fla_oliveira18 disse...

Ouvi alguns comentários do vídeo citado, do tipo: "Quem sabe se ele mostrasse a conta bancária dele ela apareceria", ou então "Essa menina deve estar é fugindo do cara que se diz apaixonado sem conhecê-la".
Eu acredito que de certa forma as mulheres se colocaram em uma posição onde elas não se permitem demonstrações de romantismo, porque julgam completamente démodé, e ao mesmo tempo tornam as coisas muito mais banais e corriqueiras, ou seja: Esqueça a troca de olhares, o telefone anotado no papel, o flerte. Anota ai meu facebook, me adiciona e vamos marcar um chopp. Nada contra as pessoas que adotam esse tipo de postura, mas críticas sobre excesso de romantismo, classificá-lo como brega me incomoda bastante.

Karla Hack dos Santos disse...

Hoje falta mesmo aquela sedução gostosa, que vai formando o sentimento, a empolgação, a espera da conquista... Também sou uma desta últimas românticas. Mas, não daquele romantismo de filme... do real que pela velocidade da vida fingimos não ser importante.

;D

Juarez Malakian disse...

as pessoas nao tem vergonha de dizer, é cafona, é brega
Mas de falar do que sentem realmente de fato, maioria tem vergonha.Ou de demonstrar ódio curioso que poucos tem vergonha né...


Beijos Joyce, bela observação um tanto quanto onírica talvez, mas me agrada o que escreve.;) bjos

Lu Rosário disse...

Aaaah...o romantismo, realmente não existe mais. Essa atitude do rapaz é daquelas que todos acharão ridicula e fora de mora, creio que por falta de sensibilidade.

Nnão sou tão romantica, mas nutro o romantismo dentro de mim. Acredito que a falta dele é mais uma consequencia do mundo em que vivemos, em que a desvalorização e banalização dos sentimentos passou a ser palavra de ordem.

Beijocas!

Magali Geara disse...

Joy, eu vi esse vídeo... e comentei: "Vacilão".

Po... o cara se apaixona e perde o telefone da princesa?

Ele nao foi nada romântico, antes do video.

Agora, Inês é morta.

Beijo