sexta-feira, 4 de junho de 2010

Elisa Lucinda +Chico Buarque =bebida quente para uma sexta-feira fria.....


Hoje deixo vcs com a poesia da maravilhosa Elisa Lucinda,uma surpresa em minha vida..(Poesia que me tomou por inteiro) e com a música de Chico Buarque,que sempre fala por mim. Espero que gostem....logo mais eu volto..(com mais humor e inspiração....) bjs meus queridos^^

Da chegada do amor

Sempre quis um amor
que falasse
que soubesse o que sentisse.
Sempre quis uma amor que elaborasse
Que quando dormisse
ressonasse confiança
no sopro do sono
e trouxesse beijo
no clarão da amanhecice.

Sempre quis um amor
que coubesse no que me disse.
Sempre quis uma meninice
entre menino e senhor
uma cachorrice
onde tanto pudesse a sem-vergonhice
do macho
quanto a sabedoria do sabedor.

Sempre quis um amor cujo
BOM DIA!
morasse na eternidade de encadear os tempos:
passado presente futuro
coisa da mesma embocadura
sabor da mesma golada.
Sempre quis um amor de goleadas
cuja rede complexa
do pano de fundo dos seres
não assustasse.
Sempre quis um amor
que não se incomodasse
quando a poesia da cama me levasse.
Sempre quis uma amor
que não se chateasse
diante das diferenças.

Agora, diante da encomenda
metade de mim rasga afoita
o embrulho
e a outra metade é o
futuro de saber o segredo
que enrola o laço,
é observar
o desenho
do invólucro e compará-lo
com a calma da alma
o seu conteúdo.
Contudo
sempre quis um amor
que me coubesse futuro
e me alternasse em menina e adulto
que ora eu fosse o fácil, o sério
e ora um doce mistério
que ora eu fosse medo-asneira
e ora eu fosse brincadeira
ultra-sonografia do furor,
sempre quis um amor
que sem tensa-corrida-de ocorresse.
Sempre quis um amor
que acontecesse
sem esforço
sem medo da inspiração
por ele acabar.
Sempre quis um amor
de abafar,
(não o caso)
mas cuja demora de ocaso
estivesse imensamente
nas nossas mãos.
Sem senãos.
Sempre quis um amor
com definição de quero
sem o lero-lero da falsa sedução.
Eu sempre disse não
à constituição dos séculos
que diz que o "garantido" amor
é a sua negação.
Sempre quis um amor
que gozasse
e que pouco antes
de chegar a esse céu
se anunciasse.

Sempre quis um amor
que vivesse a felicidade
sem reclamar dela ou disso.
Sempre quis um amor não omisso
e que sua estórias me contasse.
Ah, eu sempre quis um amor que amasse.

Elisa lucinda




O que será que me dá
Que me bole por dentro, será que me dá
Que brota à flor da pele, será que me dá
E que me sobe às faces e me faz corar
E que me salta os olhos a me atraiçoar
E que me aperta o peito e me faz confessar
O que não tem mais jeito de dissimular
E que nem é direito ninguém recusar
E que me faz mendigo, me faz suplicar
O que não tem medida nem nunca terá
O que não tem remédio nem nunca terá
O que não tem receita...

O que será que será,
Que dá dentro da gente e que não devia
Que desacata a gente, que é revelia
Que é feito uma aguardente que não sacia
Que é feito estar doente de uma folia
Que nem dez mandamentos vão conciliar
Nem todos os ungüentos vão aliviar
Nem todos os quebrantos, toda alquimia
Que nem todos os santos, será que será
O que não tem descanso nem nunca terá
O que não tem cansaço nem nunca terá,
O que não tem limite...

O que será que me dá, Que me queima por dentro,
será que me dá
Que me perturba o sono,
será que me dá
Que todos os tremores me vêm agitar
Que todos os ardores me vêm atiçar
Que todos os suores me vêm encharcar
Que todos os meus nervos estão a rogar
Que todos os meus órgãos estão a clamar
E uma aflição medonha me faz implorar
O que não tem vergonha nem nunca terá

O que não tem governo nem nunca terá,

O que não tem juízo...

11 comentários:

Livinha disse...

Esse amor que a gente busca, que seja eterno enquanto por ventura exista, ainda que nada disso encontremos, mas que seja o enfeite desse amor que ainda que balance a dúvida, a gente jura que encontramos.
Por que será que bole tanto dentro da gente, o que será que balança as mentes descontente e esse amor que a gente deveras sente onde ele está?
Por que brota a flor da pele e nos faz chorar, um dar que me dar, um faltar na razão de tudo?
O que será que será em Joyce?

Lindo versos minha linda, linda musica, não poderias ter feito melhor escolha para esse fim de semana.

Bjs
Livinha

Jão disse...

sempre sonhamos com o amor poetico, lindo, cheio de flores. E ele existe mais cabe a nos construi-lo. nenhum amor é fácil nem mesmo os de novela, sempre tem algo que precisa melhorar...

mais a cabe a nos amantes do amor lutar por ele...


Ps. texto e muiscas lindas, como sempre otimas escolhas Bebe...

Cecília disse...

Ah.. poesia lindissima! Mas a música me chama muito mais. É uma daquelas que toma os nossos ouvidos e vai crescendo, crescendo... E a interpretação do Milton é sensacional, ne? =)

tossan disse...

Essa mulher é uma ótima poetisa já li outras poesias dela e me encantei. A música é um clássico da MPB. Ainda bem que não publicas pagodes, axés, sertanejas e raps...Ufa que alívio! Não me desaponte viu...brincadeirinha gosto não se discute...Rsrsrsrsr....Beijo

Lou Albergaria disse...

MARAVILHOSAS ESCOLHAS!!!!
O POEMA DA lucinda, simplesmente extraordinário...

A LETRA DO CHICO FABULOSA; FOI TEMA DO FILME 'DONA FLOR E SEUS DOIS MARIDOS'. VC nem sonhava em nascer quando SONIA BRAGA brilhava na pele da DONA FLOR e essa música tocava alucinadamente...

Adoro seu blog, pois apesar da sua pouca idade, sabe e busca o que é bom de verdade, ou seja, o que é ETERNO....

SUPER BEIJO!!! MUITO OBRIGADA POR ESSES DOIS PRESENTES PELOS QUAIS JÁ SENTIA IMENSA SAUDADE...

formaxima.com disse...

Joice seu blog é espetacular, show, not°10 desejo muito sucesso em sua caminhada e objetivo no seu Hiper blog e que DEUS ilumine seus caminhos e da sua família
Um grande abraço e tudo de bom
Ass:Rodrigo Rocha

Celamar Maione disse...

Belo presente Elisa Lucinda e Chico Buarque na voz maravilhosa do Milton Nascimento. Amo !
É o querer que nos move. Nos faz viver.
Beijos e boa semana !

C@urosa disse...

Olá querida Joyce, quanta gente genial junta, você sempre nos mostrando muita sensibilidade e bom gosto, parabéns.

forte abraço

C@urosa

Rico Salles disse...

Ah, suas escolhas em preencher seu blog sempre me agradam, no texto, nos autores, nas fotos, nos vídeos... que ótimo lugar pra se ir. Bj!

nas entrelínguas disse...

Ah o Amor,"O que não tem mais jeito de dissimular", 'Amoral comprometimento com a linguagem'
Desnude-o:
http://nasentrelinguas.blogspot.com/2010/04/skap-zeca-baleiro.html

Obs: Joyce, obrigado pelo carinho e atenção dedicados ao Nas Entrelínguas. Adoro seus comentários, é de uma sinceridade que sempre me rouba indevidamente um sorriso. Perdoe a ausência, em breve terei férias d'outras cousas , então passearei mais por aqui. =)
Grande abraço!

Filipe disse...

Adooooooooooorooooooooo!
kkkkkkkkkkkkkk