terça-feira, 11 de maio de 2010

''Foi poeta,sonhou e amou na vida ''


Há certos poetas que entraram em minha vida de uma forma eterna e com os quais vivo em eterno flerte.De tempos em tempos tenho a necessidade de ler Drummond,Vinícius,Mário Quintana,Fernando Pessoa entre tantos outros.Mas hoje quero citar um poeta em especial.... que como os outros,tenho a necessidade de visitar sempre....e agora é tempo dele, e quero dividir isso com vocês!
Trata-se de Manuel Antônio Alvares de Azevedo,que morreu bem jovem,aos 21 anos de idade.Ele faz parte da segunda geração romântica do Brasil,a chamada ultra-romântica,na qual os poetas são voltados para si mesmos,e suas poesias são cheias de pessimismo.Lembro-me que conheci a poesia de Álvares no colegial,e o que me chamou a atenção nele foram justamente o fato de ter morrido tão jovem e o peso de seus versos.Sua poesia é impregnada de desilusão e melancolia....e todas as vezes que eu leio me sinto tomada pelo peso de suas palavras,que ao mesmo tempo são muito fortes e de extrema beleza.Gosto por exemplo,da forma como o amor é tratado em sua poesia,ora com um que de desejo,ora com um que de medo....em certos poemas até de uma forma sensualíssima.
A obra de Álvares de Azevedo foi publicada somente após seu precoce falecimento e entre elas eu destaco a Lira dos vinte anos,Macário e Noite na taverna : leitura no mínimo embriagante.
Segue então minha favorita Álvares.....espero que apreciem,e caso não conheçam sua poesia,que possa ter apresentado de forma satisfatória^^

Logo mais eu volto meus queridos^^


SAUDADES

Foi por ti que num sonho de ventura
A flor da mocidade consumi...
E às primaveras disse adeus tão cedo
E na idade do amor envelheci!


Vinte anos! derramei-os gota a gota
Num abismo de dor e esquecimento...
De fogosas visões nutri meu peito...
Vinte anos!... sem viver um só momento!


Contudo, no passado uma esperança
Tanto amor e ventura prometia...
E uma virgem tão doce, tão divina,
Nos sonhos junto a mim adormecia!


...


Quando eu lia com ela... e no romance
Suspirava melhor ardente nota...
E Jocelyn sonhava com Laurence
Ou Werther se morria por Carlota...


Eu sentia a tremer e a transluzir-lhe
Nos olhos negros a alma inocentinha...
E uma furtiva lágrima rolando
Da face dela umedecer a minha!


E quantas vezes o luar tardio
Não viu nossos amores inocentes?
Não embalou-se da morena virgem
No suspirar, nos cânticos ardentes?


E quantas vezes não dormi sonhando
Eterno amor, eternas as venturas...
E que o céu ia abrir-se... e entre os anjos
Eu ia despertar em noites puras?


Foi esse o amor primeiro! requeimou-me
As artérias febris de juventude,
Acordou-me dos sonhos da existência
Na harmonia primeira do alaúde.


...


Meu Deus! e quantas eu amei... Contudo
Das noites voluptuosas da existência
Só restam-me saudades dessas horas
Que iluminou tua alma d'inocência.


Foram três noites só... três noites belas
De lua e de verão, no val saudoso...
Que eu pensava existir... sentindo o peito
Sobre teu coração morrer de gozo.


E por três noites padeci três anos,
Na vida cheia de saudade infinda...
Três anos de esperança e de martírio...
Três anos de sofrer - e espero ainda!


A ti se ergueram meus doridos versos,
Reflexos sem calor de um sol intenso,
Votei-os à imagem dos amores
Pra velá-la nos sonhos como incenso.


Eu sonhei tanto amor, tantas venturas,
Tantas noites de febre e d'esperança...
Mas hoje o coração parado e frio,
Do meu peito no túmulo descansa.


Pálida sombra dos amores santos!
Passa quando eu morrer no meu jazigo,
Ajoelha ao luar e entoa um canto...
Que lá na morte eu sonharei contigo.

12 comentários:

C@urosa disse...

Querida amiga Joyce, adorei a sua escolha, que bela e sensível,
nossos poeta são imortais e penetram fundo em nossa alma.

forte abraço

C@urosa

Jão disse...

Alvares de Azevedo, não conheço muito de sua obra, li muito pouco, mais gosto bastante do pouco que ja me foi apresentado.

Este poema mesmo não conhecia, e adorei...

parabens pela escolha bebe...

bacana o visu novo do blog...
bjs
amo-te

Luigi Lopes disse...

Joyce, muito bom ver você falando de literatura, minha maior paixão e em especial ÁLVARES, que é um poeta que amo muito. Você, antes de fazer o curso de Letras, deu uma aula sobre ele. Abração!!!!!!!!!!!!

Cecília disse...

Gente.. como eu quis chegar no segundo ano pra ver Alvares de Azeveeedo! hahaha muito bom!

Livinha disse...

Mocinha, que lindo poema de Alvares de Azevedo.
Nas letras mais profundas, dores moribundas, devaneios...
Bem de acordo com o que vivemos dessas horas morbidas que experimentamos com tantos lamentos, por tantos desenganos

Bjs de mim
Livinha

Fatima disse...

Gosto muito de Alvares de Azevedo!
Mas fala a verdade, seu Joãozinho é muito bonitinho né!
( Amo-te)Olha só que gracinha!
Só podia ser mineiro mesmo.
Bjs querida amiga.

tossan disse...

Não conhecia e confesso que não sei de muita gente boa como esse. Gostei. Beijão

Por que mentias?
Por que mentias leviana e bela?
Se minha face pálida sentias
Queimada pela febre, e minha vida
Tu vias desmaiar, por que mentias?
Acordei da ilusão, a sós morrendo
Sinto na mocidade as agonias.
Por tua causa desespero e morro...
Leviana sem dó, por que mentias?
Sabe Deus se te amei! Sabem as noites
Essa dor que alentei, que tu nutrias!
Sabe esse pobre coração que treme
Que a esperança perdeu por que mentias!
Vê minha palidez- a febre lenta
Esse fogo das pálpebras sombrias...
Pousa a mão no meu peito!
Eu morro! Eu morro!
Leviana sem dó, por que mentias?
Alvares de Azevedo

Filipe disse...

Aí só li ele mesmo no colegial uahauhauhauh
mas fikei encabulado por ele ter morrido tao cedo..

O Jão ta arrasando ou é impressao minha?!
hahaha
beijos querida!!

Tatiana disse...

Oi Joyce... bela homenagem ao brilhante poeta!
Desculpa a minha ausência nos comentários, a vida tem estado bastante corrida aqui.
Um beijo carinhoso

Paco Sales disse...

Bonito poema, cala en la persona que lo lee, felicidades.

Manuela Santos disse...

OLá querida Joyce,
Não conhecia nada, absolutamente nada de Álvares Azevedo, nem de nome. Gostei muito da poesia que deste a conhecer dele, tem de facto uma sensibilidade muito especial. O teu blogue é um manancial de emoção e conhecimentos.
Como vai a vida? Florida? Desejo que sim!
Beijinhos para a minha rica menina,
Manuela

Francisco disse...

É uma pena que poetas como Alvares de Azevedo, não tenham sido mais divulgados, principalmente nas escolas.
Esse poema escolhido por vc, é o mais puro sentimento de amor verdadeiro, e saudade...
E tem quem prefira ler Paulo Coelho...! rsrsrs

Beijão, garota linda!